Poesia | Divã | Sandra Paula

Procuro desabafar nos versos
O amor que trago comigo
Fiz da caneta companheira,
 Amiga de meus escritos.
Nos versos falo o que pressinto
O amor a cada manhã.
Fiz do desabafo meu escape
Fiz dos poemas meu divã.
Neles escrevo o que sinto
Se falo que te amo
...Acredite...
...Não minto...
Falo da saudade dilacerante
Que me traz a falta de você.
Em meus poemas desabafo,
Neles vejo despido o meu eu,
Sem fantasias...
Sem camuflagem...
Neles sou realidade,
Sou amiga, amante, sou irmã
Falo de você, falo de mim,
Das minhas noites e manhãs.
Expando meus sentimentos
Faço de meus poemas meu divã.
Eles me acolhem em silencio
Me escutam sem reclamar
Deixam-me aliviada
E quando em meu rosto
Uma lagrima resvala
A saudade de você
Professando o meu/ teu bem querer,
Meus poemas me abraçam
Seguram em minhas mãos
Beijam-me gentilmente
Afagando-me o coração.
Em meus poemas falo de um anjo
Que me traz nos lábios o sorriso
Frêmito no coração...
Nos olhos deixam um brilho...
Seja noite...
Seja manhã
Desabafo o meu amor
Revelo você...

Em meus poemas
Meu divã


Poema de: Sandra Paula Souza

Um comentário:

  1. Muito bom este texto Sandrinha, muito sóbrio, consistente e bem elaborado. Muito gostoso de ler. Parabéns mais uma vez poetisa, que seus textos possam sempre vir cheios desta aura e nos passem este desejo de continuar a Lê-los.

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Abaixo da postagem você pode comentar. Nós iremos moderar e liberamos em breve. Obrigado.

Google+ Followers