Pular para o conteúdo principal

Literatura | Conto | Chamado do amor | Sandra Paula

Estela o esperava ansiosa, seria o primeiro encontro. As mãos geladas e o tremor em seu corpo revelavam o desejo de encontrar Ângelo. Os meses de conversa e declarações haviam ligado para sempre os dois. Se vestira com cuidado, queria causar impacto, jeans apertado, camiseta  delicada, porém sexy.Uma mistura de mulher e menina. Em alguns instantes estaria entregando-se ao amor de sua vida. Estava preste a viver o amor que a corroía dia a dia, sem dó nem piedade. Desejava ardentemente aquele homem. Ângelo passara a viver dentro dela, podia amá-lo, sentir seu corpo, acariciá-lo…
De repente, uma voz rouca chamou seu nome, e como em câmara lenta ela seguiu aquele chamado do amor. Em sua frente estava o seu amado, saído de seus sonhos,lindo,lindo,lindo.Não sabia o que fazer, pois o desejo  naquele momento era de atirar-se em seus braços e beijar-lhe a boca carnuda ,abraçando aquele corpo másculo. No entanto as pernas não obedeciam, ela estava paralisada e sem voz. A única manifestação de sentimentos eram as lágrimas que fluíam de seus olhos, como fontes jorrando águas cristalinas. Ângelo compreendendo o que se passava, foi a seu encontro. A tomou nos braços e sussurrou em seu ouvido:
- Você é linda, minha doce Estrela.-Era assim que ele a chamava.
Enlaçando-a pela cintura beijou-lhe os lábios, com a ternura até então, só experimentada nos sonhos de Estela. Seguiram de mãos dadas. O silêncio tomava conta dos dois apaixonados. Era algo novo para eles, poder sentir o contato a tanto tempo desejado, sonhado. Atravessaram a rua e seguiram para o carro. Vez por outra a emoção os tomava e o desejo de chegar ao destino se tornará insuportável. Seguiam  por uma estrada de mão única,uma serra que os levaria a uma cabana,  em um bosque  florido. Parecia  saído de um conto de fadas aquele lugar,mas Ângelo por certo sabia a felicidade que causaria a Estrela, sabia o quanto sua amada era romântica e sonhadora, faria o possível, para que ela vivesse tudo o que sonhara para os dois. A cabana bem cuidada aguardava os amantes. Ele parou o carro e ela graciosamente desceu, caminhou em direção a seus sonhos, leve como um pássaro, parecia voejar. Ângelo  abriu a porta e os dois entraram. Ambos tinham no olhar o brilho que a chama do amor lhes causara, agora não tinha mais como conter o desejo que  sufocavam dentro de si. Ele a enlaçou o corpo com ternura, olhou-a com a paixão que o recebia.
- Meu Deus, como sonhei com você! Tua pele, teu cheiro… – Ângelo parecia não conseguir respirar, tão intenso, era o desejo que lhe consumia o ser.
- Tenho medo de estar sonhando e de repente acordar sem você aqui meu amor. – Estrela não continha as lágrimas de felicidade que lhe escorriam na face.
Ele lhe enxugou o rosto, beijou-lhes os olhos suavemente. Afagando seus cabelos, seus beijos se tornaram mais abrasadores. Acariciavam-se com paixão, não podiam mais retardar aquele momento tão esperado. Ângelo a tomou nos braços e a deitou na cama. Com carinho, baixou as alças de sua blusa, sempre a beijando e declarando seu amor. Os beijos seguiam um após outro. Ele lhe acariciou o ponto mais íntimo e Estrela entregou-se apaixonada. Naquele instante, o sol se escondera, para dar lugar a lua que chegava,  brilhante e iluminada, testemunhando e brindando a mais bela história de amor. Uma história que estaria presente, para sempre na vida de um anjo e sua estrela amada.


Por: Sandra Paula     

Comentários

  1. Lindo conto Sandrinha, muito doce e romântico, excelente. Amei, beijão escritora.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante. Abaixo da postagem você pode comentar. Nós iremos moderar e liberamos em breve. Obrigado.

Mais Vistas do Mês

Poema | Déjà Vú | Vera Aguiar

Jeito maroto.
Homem-moleque.
"Senhor",
deliciosamente atrevido.
Tudo em ti me faz de sonhos viajar.
Passo por seu rosto,
te beijo mansinho.
Toco seus cabelos,
que em meus dedos deslizam.
Tomo suas mãos,
trêmulas,
quase úmidas,
em calafrios,
que suponho circular seu corpo.
Vou agora até seus lábios,
minha trajetória completar.
Opa!
O mundo nos olha.
É preciso acordar.

Por: Vera Aguiar

Poema | Mulher, mãe. | Vera Aguiar

E agora mulher? Vai teu filho chegar, 
te amar como santa,
de mãe te chamar.
Tomará tua vida outros rumos,
para ve-lo crescer.
Pois,
a fraca mãe vira fera,
para a cria defender,
servindo apenas a sombra,
do proprio viver.
Depois que a mulher fica mãe,
tudo é motivo para chorar:
chora se o filho sofre,
chora por pensar,
que este possa sofrer,
chora a beleza de vê-lo sorrir,
chora se na vida vencedor,
este volta para agradecer.
Mãe,
algo difícil de entender,
impossível de analisar.
Não sabe se ri ou chora,
mas,
mostra o que é ser mãe na hora,
que do filho perigos rondar.