Pular para o conteúdo principal

Texto | Conto | A loba e o poeta | Sandra Paula


Depois de  mais uma noite de amor ao lado de seu poeta, a loba se trancava  em sua solidão.
Adormecida sonhava com os abraços de seu amante e sonhando suspirava a felicidade dos momentos de amor que tinha a seu lado. Uma loba nas horas em que o sol cobria o bosque com seus brilhos dourados. Uma mulher quando a lua cobria de prata as noites orvalhadas. Nunca soube ao certo o motivo deste doloroso destino. Uma magia? Maldição? Nunca soube o que sucedera. Porém, estava vivendo os únicos momentos de felicidade que a vida lhe proporcionava, e estes momentos lhe chegou em forma de poesia.Como que para quebrar o encanto  o destino lhe apresentou o poeta ,um homem  que por si só já era uma poesia. A seu lado tinha vivido momentos de paixão, loucuras de amor e desejos. Tinha descoberto a felicidade de seus momentos de mulher. O poeta conhecia seu segredo, sabia ser impossível viver a seu lado como em uma vida normal. Mesmo assim a amava, a desejava e sabia lhe fazer feliz. Seu segredo não era o bastante para distanciar o poeta da loba-mulher. Ele a fazia viver  intensamente as noites a seu lado. Acordando daquele momento de  letargia, ela contemplou ao longe, a lua que surgia brilhante e convidativa, lua dos amantes, lua da loba e do poeta. Correu velozmente por entre as árvores do bosque... Correu ao encontro de seu amado, seu poeta. Cada vez que a distancia encurtava  a metamorfose acontecia e, ao chegar no lugar que tinha servido de braços para acolher os amantes, o poeta já  se encontrava esperando sua amada. A loba agora já não existia, ali estava uma bela mulher. Corpo desnudo, branca tal qual a lua que brilhava no alto da colina. Suas madeixas caiam-lhe a cintura e seus olhos eram chispas de desejo e amor. Cada encontro era mágico, era novo. Abrindo os braços convidou o poeta a lhe amar, a completar seu fascínio  feminino. O poeta lhe contemplava com paixão, amor, corpo inflamando de desejos. Sem mais esperar a tomou nos braços e iniciou o ritual dos amantes. Já estava difícil seguir uma respiração normal, se desejavam como se fosse  a ultima vez, se tragavam entre sussurros e gemidos, ou seria entre sussurros e uivos? Viviam sua história de amor. Naquele momento só lhes importava saciar a fome que lhes consumia o corpo. Ele a possuiu desesperadamente, e no momento em que ela o teve dentro de si, sentiu uma lagrima que solitária resvalou  em seu rosto de mulher. O poeta lhe acariciava o corpo incrédulo do prazer que recebia e que causará naquele ser tão misterioso. Suas mãos se fechavam  nos seios da mulher que arfava sem conter o frenesi. Sua boca passeava  lentamente no corpo feminino se perdendo na passagem secreta do êxtase que a tomava. Seus dedos a tocavam  ardentemente e ela enlouquecida parecia se perder em meio ao prazer que o poeta lhe causara. Sentia escorrer por suas coxas o liquido viscoso e quente que aflorava do amor que faziam. Ambos se entregavam a loucura das noites febris, sem medo, sem receios. Amavam-se e se queriam, naquele momento o que menos importava era o segredo que envolvia aquela mulher. De repente, ao sentirem os raios do sol que nascia, se deram conta que se amaram durante toda noite, mas  que novamente era forçoso o adeus! Olharam-se em silencio, com lágrimas nos olhos o poeta viu seu amor desaparecer, agora não mais em forma de mulher, mas uma loba triste e solitária. Voltar-se-iam a se encontrar? Só o destino poderia responder. Mas ele estaria ali, todas as noites, esperando a loba que em seus braços se fazia mulher. Ansiando para matar a saudade, se completarem e fazerem amor.

Lá ao longe, sem que o poeta percebesse, a loba parou, olhou para trás e implorou em seu coração:

- Meu poeta, voltarei pra você, me espera. Não desista de mim...

Por: Sandra Paula

Comentários

  1. Nossa Sandra...agora pirei da batatinha. Que lindo texto! Uma capacidade surpreendente de tornar real a fantasia e fazer a leitura totalmente envolvente. Parabéns. Queria ter esta loba comigo sempre, para sempre. Belíssimo texto poetisa, beijos.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante. Abaixo da postagem você pode comentar. Nós iremos moderar e liberamos em breve. Obrigado.

Mais Vistas do Mês

Poema | Déjà Vú | Vera Aguiar

Jeito maroto.
Homem-moleque.
"Senhor",
deliciosamente atrevido.
Tudo em ti me faz de sonhos viajar.
Passo por seu rosto,
te beijo mansinho.
Toco seus cabelos,
que em meus dedos deslizam.
Tomo suas mãos,
trêmulas,
quase úmidas,
em calafrios,
que suponho circular seu corpo.
Vou agora até seus lábios,
minha trajetória completar.
Opa!
O mundo nos olha.
É preciso acordar.

Por: Vera Aguiar

Poema | Mulher, mãe. | Vera Aguiar

E agora mulher? Vai teu filho chegar, 
te amar como santa,
de mãe te chamar.
Tomará tua vida outros rumos,
para ve-lo crescer.
Pois,
a fraca mãe vira fera,
para a cria defender,
servindo apenas a sombra,
do proprio viver.
Depois que a mulher fica mãe,
tudo é motivo para chorar:
chora se o filho sofre,
chora por pensar,
que este possa sofrer,
chora a beleza de vê-lo sorrir,
chora se na vida vencedor,
este volta para agradecer.
Mãe,
algo difícil de entender,
impossível de analisar.
Não sabe se ri ou chora,
mas,
mostra o que é ser mãe na hora,
que do filho perigos rondar.