Poesia | Louco desejo esse... | Sandra Paula

 Ainda tenho na pele o cheiro  do teu desejo
O fluido  dessa paixão eloquente
O delirar de teus lábios
Que me devoram ardentemente

Em teu corpo me enrosco
Sussurro, deliro... grito
Cavalgo em você
Sou tua, da maneira que te convir.
Sou fera indomada

Escalo teu corpo
Viro-te do avesso
Te agarro feroz
Te acarinho o peito

Minha boca te procura
Em um desejo que devora
Sou  fêmea no cio
Em um desejo escaldante
Te quero agora!

Um desejo que me consome
Te busco  arfando quase sem fôlego
Esse tesão me deixa  atrevida
Coisa de louco

Venci meus medos
Entreguei-me a você

Em teus braços de homem ardente
Que me sacia plenamente
E me deixa completa de tudo.
Quando me acarinhas os seios
E me lambes por inteiro
Quando paras as mãos nos rosados mamilos
E de tesão me arrancas suspiros
Quando docemente chegas
A gruta do prazer
Me contorço
Seguro em teu pescoço
Beijo tua boca
Selvagemente
Querendo te morder
De repente explodes em gozo
Em teu latejar dentro de mim
Sinto quente a vida que sai de ti
Transbordando em minhas coxas
E adoro te ver assim
Fora e dentro de mim
De sorver por inteiro
Engolir todo teu beijo
Te arrancar suspiros
Te ver frágil
Um menino
Explodindo
O liquido quente
Em mim
Te quero novamente!!!
Bem aqui... Dentro de mim...

Por: Sandra Paula

Poesia | Loba. | Tony Casanova

   Saem das tuas mãos versos perfeitos/
 Alinhavados com ternura caprichada/
 Nos poemas dos amores satisfeitos/ 
 Desenhados nos escritos de uma fada/ 
 Rimas excitantes e ardentes/ 
 Amantes se revelam no poema/
 Praticantes de paixões tão envolventes/
 Amores se completam numa cena/ 
 Uma musa de tamanha inteligência/ 
 Loba de sensual eloquência, pura/ 
A propria musa em sua essência. 


***Dedicado a poetisa Sandra Paula Souza,
 que trouxe toda a leveza e sensualidade dos 
seus versos, elevando em competência e 
qualidade o material que apresentamos no 
Projeto Sergipano Roda Cultural em sua página
 "Poesias". Ela que está integrando a pouco 
tempo o Roda Cultural, mas que destaca-se 
pela dedicação e empenho em trazer o seu melhor. 
Sandrinha, Obrigado.
 Por: Tony Casanova.

Poema | O néctar de nosso amor | Sandra Paula

Tu és o néctar
 Do amor sonhado
O sorriso que brota
Dos lábios amado

Viver na primavera
Mesmo sendo inverno
Tu és a essência
Da paixão ardente
Chegou de mansinho
Demonstrou carinho
Tornou-se envolvente

Tu és a saudade
Quando hoje não te vejo
Quando minha boca seca
Recorda teus beijos
Revivendo a carícia
Da ultima noite de amor

Tu és a excitação
Que aflora meu corpo
O  frenesi provocado
Um anseio meio que louco

Tu és esse amor que me sorri
Este abraço  que me submerge
Essas mãos que afagam
O amor...
A felicidade de estar
 Sempre contigo...

Tu és essa fala gostosa
Uma linda melodia cada
Vez que me dizes
Eu te amo...

Poema de: Sandra Paula

Poema | Tatuagem de amor | Sandra Paula

A noite passada ainda ferve dentro de mim
Uma loucura sem tamanho
Uma entrega mútua
Desejos que pareciam não ter fim

Queria te fazer surpresa
Coloquei aquela sexy lingerie
Queria ficar bonita
 E te causar frenesi

Foi uma noite especial
Diferente de todas que  vivemos
 Senti-me  mais solta... Fatal
Eu própria me surpreendi

Nossos corpos se comunicavam
Na linguagem do prazer
Você dentro de mim
Eu cavalgando em você

Teu olhar  me devorando
Teu sorriso era malícia
Teu corpo era convite
Pra minhas mãos te fazer carícias

Te acarinhei com as mãos
Te cobri  com os cabelos
Em meio a loucura do amar
Éramos  só tesão

...Você me olhando
Eu suspirando...
...Você sussurrando...
...Eu delirando...

Perdi o controle...
...Nesta noite perfeita
Alucinada e frenética...
De mulher calma que sou...
...Me vi completamente assanhada

Tua respiração  em meu pescoço
Teu halito quente...
Causando-me alvoroço...
...Ora você tinha o controle...
Ora eu que controlava...

Nesta noite tão perfeita
Você me fez diferente
Imatura mulher que sou
Com você fiz loucuras
Não fiz sexo...
...Fiz amor...

Entre tantas noites ardentes
A noite passada
Essa... em meu corpo você tatuou...


Poema de: Sandra Paula

Poema | Te buscando nas lembranças | Sandra Paula



Saudades de você...
A solidão da noite me toma
Uma lagrima resvala em meu rosto
Triste  ela professa  e falece em minha boca
E após ela, segue outra... e outra...

A saudade me sufoca o peito
Uma inquietação se torna constante
Sinto carência de teus beijos
Sozinha... Sem você...
Nada faz sentido...
...Nada dá prazer...

Tenho saudade de teu sorriso
Admirável e cheio de fascínio.
Recordo tuas palavras de amor
Declarações antes por mim tão sonhadas
Agora em meu coração  arquivadas
P’ra na saudade conter um pouco essa dor

Amo-te tanto... De tal maneira
Que a saudade dói e machuca
Me transforma em tristeza a alegria
Deixando sem cor os  meus dias.

Saudade me recorda teus  abraços
Envolvendo-me  em ti como  laços
Fazendo-me delirar  de amor.
Te quero pra sempre em minha vida
Ser  a teu lado eterna  menina...
... no ato ...ser fera indomada
Deixar tua pele marcada...
Ser hoje e sempre... Teu amor...

Ah, saudade malvada!
Que chega de jeito e maltrata,
Que dói e corrói a alma
De uma mulher que te ama intensamente.

Ah, meu menino, meu anjo  faceiro,
Meu amado, amante, companheiro,
Meu amigo, meu sonho,  meu amor...
Amar-te foi o que de bom me aconteceu.
...Amar-te como a vida concedeu...

Saudades é coisa ruim...
É saber que você  não está a meu lado,
É recordar teus beijos, teus enlaço...
Teus carinhos tão intensos pra mim.

É nessa saudade sem tamanho
Que sinto o quanto te amo
E não tem mais como viver sem ti...

Poema de: Sandra Paula

Poema | Mulher, mãe. | Vera Aguiar


E agora mulher?
Vai teu filho chegar, 
te amar como santa,
de mãe te chamar.
Tomará tua vida outros rumos,
para ve-lo crescer.
Pois,
a fraca mãe vira fera,
para a cria defender,
servindo apenas a sombra,
do proprio viver.
Depois que a mulher fica mãe,
tudo é motivo para chorar:
chora se o filho sofre,
chora por pensar,
que este possa sofrer,
chora a beleza de vê-lo sorrir,
chora se na vida vencedor,
este volta para agradecer.
Mãe,
algo difícil de entender,
impossível de analisar.
Não sabe se ri ou chora,
mas,
mostra o que é ser mãe na hora,
que do filho perigos rondar.
No papel que desempenha
onde ficará você?
Será que te bastará ser mãe,
esquecendo a mulher?
Cada dia olhará infinitamente,
para os que ama e não se verá.
Porém,
tens um dia especial.
Te cobrirão de flores,
de ti lembrarão,
para serem,
abraçados!
Sim,
mamãe,
deram-te este dia,
para o filho não esquecer,
que muito amor nos braços abertos,
a mãe sempre,
terá para oferecer!

Vera Aguiar

Google+ Followers